segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Meu caminho se fez de passos… Muitos deles foram firmes e fortes, porque eu queria chegar à frente daqueles que um dia me deixaram pra trás. Outros foram passos leves, porque eu tinha medo de errar, de talvez me afundar na areia, meus passos falsos e mentirosos. Tive pressa, corri demais, cai muitos tombos, alguns deles nem me machucaram, outros deixaram grandes cicatrizes, de todos eles eu consegui levantar e continuei a caminhar.

No final

Eu vi a dor aproximar-se de mim
Causar-me feridas, golpear-me assim
E até cheguei a perguntar-me onde estavas Tu
Fiz perguntas em minha aflição
Buscando respostas sem contestação
E até duvidei por instantes da tua compaixão
E aprendi que na vida tudo tem um sentido
E descobri que tudo acontece para o bem...

E que ao final será
Muito melhor o que virá
É parte de um propósito
E todo bem sairá
Sempre tens estado aqui
Tua palavra não falha
E nunca me deixa
Descansa minha confiança sobre Ti

Eu tenho estado entre a espada e a parede
Rodeada de insônia, sem saber o que fazer
Pedindo a gritos Tua intervenção
Às vezes me falaste de uma vez
Em outras o Teu silêncio só escutei
Que interessante, Tua forma de responder
E aprendi que o que passa abaixo do céu
conheces Tu, que tudo tem uma razão...

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Irmão querido,irmão dourado, acompanha-me nesse amor desenfreado.

Irmão vivo,irmão amado,que calasse o meu maior chorar desesperado.

Irmão de história,Irmão de fé,carrego-te na estrada da vida sempre a pé.

Irmão que chora,irmão que ri,deixa-me mais uma vez contigo até o fim.

Irmãos que vivem,irmãos do viver,não duvido nunca da importancia de teu saber.

Amor,resume tudo que quero te dizer e,que vivas em mim como vivo em você

Autoria:  Elcio Moreira Silva Junior

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Simples gestos


Como um oi, como um abraço, como um sorriso, como um olhar, como um beijinho na bochecha, como uma piscadinha, um aperto de mão, contar estrelas, ouvir musicas, como uma escolha, como um verso, palavras sinceras, chorar quando sentir necessidade, se sujar de sorvete, como um desejo, andar de mãos dadas... Sim, simples atitudes assim podem ter um valor incalculável!

         Outro dia cheguei a pensar que jamais teria um amor pra mim, que o tempo poderia até curar as feridas que havia em mim, mais sempre existiria as cicatrizes para mim lembrar do meu passado, dos meus sofrimentos.
         Outro dia cheguei a acreditar que viveria para sempre sem o amor, e que seria bem mais feliz assim.
         E quando estava no auge da minha imaginação a minha cura... Veio você, é e chegou rápido assim mudando minhas razões, me ensinando a acreditar em mim, a acreditar em você, a acreditar em nós. E quando achei que estava sozinha sem companhia, você estava do meu lado, quando achei que já estava madura, você me mostra que quão infantis são as minhas atitudes mais que isso não é ruim, você me ensinou a rir outra vez, me ensinou ser forte, me ensinou o que é amar.
         E desde então tenho descoberto tantas novas coisas, novos sentimentos, novas sensações, e que minha não funciona direito distante de você, que você tem se tornado o homem da minha vida. Aprendi que ninguém pode fugir do amor que ele é mais forte que qualquer um. Por isso me rendi a você.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Você me traz sérios problemas de coração, É que eu amo demais.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Querida, acredito que está carta não te surpreenderá. Deve espera-la. Porque você entendeu com certeza que, depois de tantos pedidos desprezados sem pena, eu não podia continuar a sofrer o teu desprezo. Dizem que você me ama. Dizem, porque da sua boca nunca me dito essa declaração. Como, posso compreender que me ama, você nunca me disse uma palavra de afeto, nem o menor carinho, nenhum olhar emocionado? Várias vezes te pedi com humildade uma palavra de alívio. Nunca tive porque você ou ficava calada ou me respondia com uma zombaria  cruel. Não te entendo: perdi a esperança de ser amado. Nos afastemos!

domingo, 14 de novembro de 2010

Só queria você, mas nada.
Mas já não estás aqui e tem sido difícil abafar a minha necessidade de ouvir sua voz, sentir seu abraço, ver seu sorriso falta com um travesseiro enquanto a sinceridade escorre nos olhos.
Sei que estas ouvindo meu coração suplicado por ti, ele grita tão alto chamando por você.
Agora tenho a sua sintonia, então deixo de lado os meus rancores, decepções, pesares, e sinto meu coração se recompor, o sinto bater novamente. Obrigada por existir, por me acompanhar, e me fazer rir como só você sabe!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010


Hoje me convenci que nada importa na vida se não estás junto a mim Senhor.
Estou cansada de vagar longe de ti, tão 
machucada estou sem ti Senhor preciso do teu amor em meu caminhar lava minhas culpas minha maldade quero morar perto do teu altar por isso vem, preciso de ti para dar sentido a esse coração que não encontra repouso se não for contigo.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Tão de repente você chega e conseguiu me encantar.
E assim de repente a gente de mãos dadas, não fazia parte dos meus planos, mais junto a você eu me esqueci do mundo, tudo culpa do seu sorriso, da sua voz, do aconchego dos seus braços.
De repente você faz parte da minha vida, e eu nem pude evitar.
O que houve com o meu desejo de ficar sozinha? De viver sem amor?
Você veio de repente e me beijou e modificou tudo, trouxe um novo sentido para a minha vida; e me fez tão feliz, e foi assim mesmo você surgiu de repente, abstrato e tão real, me envolveu e já não consigo esquecer-te. 

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

como tu escrevestes foi surpreendente mesmo receber sua mensagem de texto, e embora eu tenha ficado extremamente feliz com todas as mensagens que me mandaste neste dia, por mais que eu fique o dia inteiro lendo e relendo elas... necessito realmente saber qual é a profundidade do que sentes por mim, se o que sinto está também ao teu alcance, se tu sabes corresponder mesmo ao que eu sinto.
Não consigo mais viver nesse sofrimento profundo de incertezas, de somente possibilidades, se tu sabes o que é amor me responde por favor! Me jura teu amor eterno, que nunca há de apagar, embora haja tormentas, o amor pode suportar. Perdoa-me mais vou lhe dizer francamente o que penso da distância, distância não separa, incomoda mais não muda as intenções ela não importa se você não quer se importar, distância não é limite mais pode ser uma desculpa se você quer que assim seja, você decide se diminui ou se aumenta ela. Acredito que se for amor somos capazes de suportar, só preciso saber o que realmente é, então livre-me dessa agonia.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Diz-me que me amas, talvez seja somente isto que eu preciso ouvir, será que não sentes a necessidade que eu tenho de você?
Na tua ausência eu não saberei viver. Sigo então com meus olhos fechados imaginando a tua presença, o soar da tua voz, sinto seu perfume e teus braços a me envolver, te tenho comigo.
E quando de repente abro os olhos, não te encontro e o silencio parece que cobriu sua voz, nenhum cheiro é o seu, e não te tenho comigo, por que você se foi?
Aumenta mais ainda essa necessidade que eu tenho de você, se voltares aqui, por favor, não me deixes mais, para de uma vez de ir embora e fica aqui comigo. 

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Aguardo...


Meu Anjo, 

Não te tenho procurado. Talvez porque nem seja capaz de me encontrar. Não sei... 

Mas sinto a tua falta. Sinto a tua falta como se precisasse de encontrar um sentido para esta vida. E em sonhos tu és esse sentido. Tu és o meu Norte, meu Sul, meu Leste e meu Oeste. Tu estás presente em todo o lado e para onde quer que eu olhe. Mas sinto a tua falta. 

Estás demasiado longe para me abraçar. Estás demasiado longe para me acarinhares. E eu preciso tanto desses abraços e desses carinhos. 

Ainda não será hoje que eu te procurarei. Não estou pronta. Tenho de estar em condições quando te encontrar. 

Aguardo... 
by Poeta Aprendiz 
Se, por algum acaso, leres estas minhas palavras, perdoa-me desde já a minha fraqueza, perdoa-me o fato de não conseguir esperar, em silêncio, que a tormenta passe. Tu sabes como os silêncios me cortam, como o vazio me assusta, como sem ti me sinto perdida. Escrevo, como quem fala. Escrevo, como quem confessa a algo ou a alguém que se sente sem nada. Escrevo, como se tivesse a certeza que lerias estas palavras e que, lendo-as, me abraçarias de longe, sem que eu te visse, sem que nos cruzássemos. Como se pudéssemos nos Amar em silêncio, na distância e na ausência. Tu sabes como eu acredito em coisas parvas…
Neste momento sinto-me uma pálida sombra de mim mesmo. Como se me tivessem retirado toda a cor, todo o brilho e toda a luz e eu me limitasse a ser uma foto velha a preto e branco que anda por aí sem fazer falta a quem quer que seja. Porque tu eras a cor, o brilho e a luz que, me encantando, me devolvia à vida. Sem ti…nada. Sem ti…nada.
E, no entanto, sinto aqui dentro um AMOR tão forte, um coração tão grande. Neste momento a dor comanda, mas o AMOR que me deste, o AMOR que me transmites, o AMOR que ainda nos une é ainda maior do que todo o resto. Por isso, entre as lágrimas que teimo em não chorar ainda sou capaz de sorrir e, orgulhosa (de mim, de ti, de nós…), dizer-te (sem te dizer): AMO-TE. MUITO, MUITO, MUITO.
by Poeta Aprendiz

Distância

Acho que nunca estivemos tão afastados, tão separados, tão distantes. E, infelizmente, não se trata de uma distância física ou geográfica. Pelo contrário, o que nos separa neste momento são as dores, as desilusões, as mágoas e o silêncio. O silêncio…Esse torturante silêncio que destrói sonhos, desfaz ilusões, aniquila toda e qualquer esperança de felicidade. Mesmo para mim, que nunca acreditei na felicidade…Não te sei dizer como me sinto…Sinto tantas coisas em simultâneo e, ao mesmo tempo, uma estranha sensação de vazio. Faltas-me. Isso sei, isso sinto, isso vivo. A minha vida e o meu dia a dia não são os mesmos sem ti. O teu sorriso alegrava-me, os teus olhos faziam-me sonhar, os teus abraços e o teu carinho reconfortavam-me. E os teus sonhos, fossem eles utopias ou pesadelos, levavam-me para longe. Levavam-me para outros mundos. Levavam-me da realidade onde eu nunca me encaixei, onde eu não sei se algum dia encaixarei.

Sem ti, sem te ter por perto, tudo se torna insípido e sensaborão. Já sei que, se agora me lesses, terias provavelmente um acesso de fúria e vociferarias contra esta minha estúpida veia romântica e nostálgica de me entregar às palavras. Mas sabes uma coisa? Até dos teus acessos de fúria tenho saudades, das tuas mudanças de humor, das súbitas – e quase sempre inexplicadas – alterações de expressão.

Só não tenho saudades de uma coisa. De te ver sofrer. De sentir que era eu a razão desse sofrimento. De te fazer chorar. De te fazer perder o chão e o equilíbrio. Talvez – como eu - sofras neste momento. Talvez esta minha atitude seja mais um gesto de cobardia por preferir sofrer sozinho, por optar por não assistir ao teu sofrimento, por enfiar a cabeça debaixo da areia à espera que as tempestades passem. Bem sei que, com as tempestades, segue também a minha vida. E também sei que essa vida não volta atrás. Nada volta atrás…

É tudo tão estranho e complicado. Eu sou tão estranho e complicado. Por mais voltas e voltas que dê, nunca me consigo entender, nunca consigo seguir determinado por este ou por aquele caminho. Como se estivesse preso, de mãos e pés atados, e me deixasse levar. Sem opção, sem escolha, sem vontade.

E, no entanto, Amo-te. Seria tudo tão mais fácil se eu não te Amasse, se eu fosse capaz de virar a página, se eu fosse capaz de te colocar numa prateleirinha qualquer como um bibelot de recordação de uma viagem passada. Mas nada se passa assim... Bem sei que te tenho sempre comigo: no meu coração, nas minhas recordações, nas minhas palavras e nos meus sonhos. Bem sei que aí tens uma morada segura e que aí ninguém te tocará, que ninguém te apagará ou suplantará. Sei que no meu coração terei sempre oportunidade de te mostrar o quanto te Amo, o quanto significas para mim, o valor do carinho que te devoto. Mas chegará isso para me fazer feliz? Chegará isso para saciar a fome que tenho de ti? Chegará isso para que eu consiga ver a luz do Sol? Por mais que eu persista em rejeitar o conceito de felicidade, sei bem que a resposta a todas essas perguntas será um rotundo não. A tua ausência, a nossa separação, o silêncio, todos juntos, deixam-me entregue à minha rotineira tristeza, ao meu habitual desalento, à minha natural depressão. Porque, muito para além das nossas meras vontades, és tu a magia, a fantasia, o sonho e o encanto desta minha existência infeliz…

 By: Poeta Aprendiz